O que é o tesouro direto?

Ao longo dos últimos anos, o Tesouro Direto foi responsável por atrair diversos brasileiros para o mercado de investimento. Nesse sentido, os novos investidores veem o tesouro direto como uma boa opção além da tradicional poupança. Desse modo, entenda a seguir o que é o tesouro direto.

No entanto, se você pensa que o Tesouro Direto costuma estar em carteiras dos conservadores ou iniciantes, saiba que esse é um pensamento equivocado. Sendo assim, o tesouro direto é uma excelente alternativa para os investidores que pretendem se proteger e diversificar na carteira.

Por esse motivo, é de suma importância que você entenda melhor sobre o tesouro direto e como ele pode te ajudar.

Conceito de Tesouro Direto

A priori, é interessante trazer um conceito do tesouro direto, a fim de contextualizar melhor o tema. Dessa maneira, saiba que o tesouro direto se trata de um programa que foi criado pelo Tesouro Nacional em 2002.  O Tesouro Nacional, por sua vez, é um órgão que se responsabiliza pela gestão das dívidas de natureza pública.

Assim, o tesouro direto tem como finalidade permitir a compra de papéis do governo federal por parte de pessoas físicas, através da internet. Em resumo, ao comprar um título do tesouro direto, você está, teoricamente, emprestando o seu dinheiro para o governo brasileiro.

Por que o tesouro direto se tornou tão popular?

O tesouro direto se tornou muito popular nos dias atuais, e a justificativa é a sua democracia. Isso porque essa modalidade permite aplicações com valores menores que o comum. Por exemplo, você pode adquirir um título a partir do valor de R$ 30,00.

Além disso, essa modalidade traz liquidez para os seus papéis todos os dias. Inclusive, outro motivo que explica a popularidade do tesouro direto é que ele não se limita a somente algumas das instituições financeiras.

Isso porque você pode aplicar através de corretoras e bancos. Você pode optar por títulos públicos disponíveis, se isso condiz com o seu perfil enquanto investidor. Por esse motivo, você está livre para escolher diversos prazos, fluxos de remuneração e indexadores.

Principais tipos de títulos públicos

Para escolher o melhor título público, você deve conhecer os principais tipos de título, pois para investir na opção ideal é preciso ter conhecimento. Sendo assim, tenha em mente que existem três tipos de títulos, os híbridos, prefixados e os pós-fixados.

Prefixados

Ao adquirir um título prefixado, você saberá, no momento da aquisição, o valor de retorno. Porém, para isso, é preciso fazer o resgate do valor somente no vencimento desse título.

Híbridos

Já os títulos híbridos podem ter os seus critérios de definição na hora da compra e uma outra parte apenas na variação da inflação.

Pós-fixados

Por fim, os pós-fixados trazem os critérios de remuneração, mas não o retorno total desse investimento. Essa informação será conhecida apenas na hora de resgatar o valor, tendo em vista que os papéis estão atrelados à variação da inflação.

Exemplos de títulos adquiridos com frequência

Alguns títulos são adquiridos com mais frequência, e trouxemos exemplos que podem te ajudar na hora de investir.

  • Tesouro Selic: o tesouro Selic é pós-fixado, pouco volátil e é muito usado como reserva de emergência;
  • Tesouro Prefixado: esse papel traz o retorno na data de aplicação, porém, a sua rentabilidade depende do regaste;
  • Tesouro Prefixado com Juros Semestrais: nesse papel, você sabe o retorno na hora da compra, porém, deve pagar o cupom duas vezes ao ano; e
  • Tesouro IPCA: por fim, esse título é híbrido, com remuneração dita no vencimento.

Gostou do nosso conteúdo? Acompanhe as publicações para ficar por dentro de todas as novidades do mercado financeiro.