A influência do Dólar no Brasil

Você sabe o porquê de a moeda americana ser tão importante para a economia do Brasil? Neste artigo vamos contar tudo o que você precisa saber sobre o Dólar, além de esclarecer possíveis dúvidas que possam surgir referente ao assunto. Não perca!

O que é o Dólar?

Claro que antes de falar da importância do Dólar para a economia brasileira, precisamos contextualizar sobre o que é esta moeda e sua influência no mundo. Então vamos nessa?

O Dólar é a moeda mais forte do mundo, superando inclusive o euro, devido a uma série de questões históricas e econômicas, na qual os Estados Unidos sempre apresentou maior estabilidade financeira que muitos outros países.

Porém, apesar de ser utilizado há mais de 200 anos pelos Estados Unidos, o histórico do Dólar como moeda internacional é mais recente. Tudo começou na década de 40, quando os Estados Unidos venceu a Segunda Guerra Mundial, o que contribuiu para que o Dólar americano substituísse a libra esterlina, da Inglaterra, tronando-se oficialmente a moeda padrão global.

Desde então, o Dólar americano é utilizado pelo mundo inteiro como base para economias, para a bolsa de valores e claro para compras e vendas internacionais. Sua relevância na economia internacional é tão grande que, atualmente, a maior parte das commodities são negociadas em Dólar, como o caso do petróleo, por exemplo.

Portanto, o valor do Dólar pode ser diferente em cada país e suas variáveis também podem impactar outras moedas pelo mundo. Então vamos conhecer mais sobre a moeda americana?

Vale a pena investir no Dólar?

Como vimos, a economia mundial gira, atualmente, entorno do preço do Dólar americano e devido a isso, será que vale a pena fazer investimentos na moeda americana? A resposta é SIM!

Realizar investimentos em Dólar pode sim ser uma forma bastante atrativa e interessante de se fazer hedge e também de garantir uma proteção de patrimônio em tempos difíceis, ainda mais depois da instabilidade que a pandemia nos trouxe, não é mesmo?

Porém, lembramos que comprar as notas do Dólar e guardar, apesar de ser o jeito mais fácil de se investir, não é a melhor opção. Afinal, assim como qualquer outra moeda no mundo, o Dólar também tende a se desvalorizar por causa da inflação dos EUA e acontecimentos mundiais.

Como funciona a Cotação do Dólar?

Depois de compreender um pouco mais sobre o que é e a importância de investir na moeda americana, vamos entender como funciona a cotação do Dólar em diferentes lugares do mundo? Afinal, essa cotação é o que determina quanto vale essa moeda em relação às outras, observe:

Muitas pessoas ficam na dúvida sobre como funciona a cotação do Dólar na prática, mas é bem mais simples do que parece, então vamos entender? Assim como em qualquer outro ativo que esteja relacionado ao mercado financeiro, a cotação do Dólar também depende diretamente da Lei da Oferta e da Demanda. Portanto, os efeitos disso são:

  • Aumento da Demanda: apreciação do Dólar;
  • Redução da Demanda: depreciação do Dólar;
  • Aumento da Oferta: depreciação do Dólar;
  • Redução da Oferta: apreciação do Dólar.

Portanto, assim como qualquer outro produto ou serviço oferecido no mundo, o aumento da demanda pela moeda tende a aumentar o seu preço, enquanto a sua redução tende a reduzir esse mesmo preço.

A partir disso, conseguimos notar que, de fato é a Oferta e a Demanda que determinam a cotação do Dólar em qualquer lugar do mundo e que ela contribui para que consigamos identificar como anda o valor do Real sob outras moedas.

O que influencia na Cotação do Dólar?

Como vimos, é a Lei da Oferta e da Demanda que determina a cotação do Dólar. Porém, existem alguns fatores políticos e econômicos que podem influenciar diretamente na cotação da moeda americana. Veja alguns deles abaixo:

  • Inflação

A primeira variável que influencia a cotação do dólar é a inflação. Isso porque, quanto maior a inflação dos Estados Unidos, menos valioso é o Dólar – isso também corresponde com a inflação de outros países pelo mundo –. Afinal, a mesma quantia de moeda será incapaz de comprar os mesmos produtos, que terão aumentado de preço, sendo necessário emitir mais moedas para comprar os mesmos produtos.

Por isso, quanto maior a inflação nos EUA, mais depreciado o Dólar ficará. E quanto mais depreciado ele fica, menor o seu valor em relação às outras moedas do mundo, ou seja, a bolsa de valores de outros países estará em alta e o valor do Dólar comparado a eles, terá caído.

Claro que também é preciso considerar a inflação do país que faz a cotação em relação ao Dólar. Por exemplo, no Brasil, o aumento da inflação oficial, tende a repercutir em um aumento do dólar e desvaloriza a moeda nacional.

  • Taxa de juros;

Outra variável econômica que influencia diretamente na cotação do Dólar é a taxa de juros. Isso porque a taxa básica de juros de cada país — no caso do Brasil, a Taxa Selic — é capaz de influenciar diretamente a demanda pela moeda. Veja:

Quanto maior a taxa de juros: maior a demanda pela moeda;

Quanto menor a taxa de juros: menor a demanda pela moeda.

Esse fenômeno acontece porque, quando um país eleva sua taxa básica de juros, isso tende a incentivar diversos agentes do mercado a investir em títulos daquela economia. Ou seja, nos títulos públicos e nos títulos de crédito privado — os quais dependem da taxa básica de juros.

Como do Dólar influência no Brasil?

Apesar das variações constantes do Dólar, muitos brasileiros pensam que esse é um lado econômico que nem sequer nos afeta, mas a realidade é que a alta do Dólar traz uma consequência imediata a todos, inclusive para a nossa economia.

Veja a seguir, como a moeda americana interfere diretamente na economia nacional:

  • Alta na Inflação;
  • Encarecimento das viagens no Exterior;
  • Aumento em transações com o euro;
  • Dificuldade de manter o Real estabilizado.

Mas afinal, quem ganha e quem perde com a alta do Dólar?

Neste cenário, os beneficiados com a alta do Dólar são as empresas de que vendem destinos nacionais, empresas que vendem para o mercado interno – já que evitam a concorrência dos importados –, as exportadoras e a própria balança comercial.

Por outro lado, quem pede demais com a alta do Dólar são as empresas importadoras, instituições que tenham dívidas internacionais negociadas em dólar e o consumidor final — o que também inclui brasileiros vivendo no exterior e indivíduos que fizeram compras fora do país com o cartão de crédito –.

Viu só como as variações do Dólar interferem diretamente nas contas do Brasil? Afinal, todo o mercado mundial, gira entorno do valor da moeda americana.